10.5.07

Timor: o golpe resultou.

Tudo leva a crer que o golpe contra a presidência da Fretilin resultou. Ramos Horta conseguiu levar finalmente a água (o petróleo?) ao seu moinho. Com o apoio institucional da igreja timorense e dos candidatos anti-Fretilin, o apoiante desde a primeira hora da invasão bushista do Iraque será o novo presidente da república de Timor Leste. Na Austrália, em Camberra, esfregam-se as mãos de contentamento: o saque dos recursos petrolíferos de Timor vai continuar. Mas também há quem denuncie o golpe.

Nick Beams, redactor do World Socialist Website e membro da direcção nacional do australiano Socialist Equality Party:

"Se alguém acreditasse na versão oficial, a entrada das tropas da Austrália em Timor Leste dever-se-ia aos mais nobres motivos. Estão ali simplesmente para restaurar a paz e a estabilidade após o colapso da autoridade do governo. Mas esta ficção política foi desmascarada pelos acontecimentos de Junho, pela luta pelo poder que iniciou a crise e que a trouxe à superfície. O objectivo da intervenção do governo de Howard é produzir uma “mudança de regime” substituindo o governo do primeiro-ministro Mari Alkatiri por uma administração mais em consonância com os interesses australianos." Ler o resto do artigo (ligação para a revista brasileira Palavra Latina)

1 comentário:

pedras contra canhões disse...

O Golpe foi perfeitamente montado. Desde a trama a Alkatiri até à pressão terrorista exercida sobre o povo maubere. O terror imperialista destacou cedo os seus pontas-de-lança na região. Pena que muitos não tenham percebido antes.