26.8.08

Que tal ir até Setúbal?

Do teatro, música, curtas-metragens, aos espectáculos de sala e de rua, formas artísticas emergentes e de natureza pluridisciplinar, a Festa continua a ser um interlocutor entre os artistas e a comunidade.

As artes como meios essenciais de nos lermos a nós próprios para rescrevermos colectivamente e sem reproduzirmos, inconscientemente, as histórias e as relações autoritárias que nos formaram, para humanizar e democratizar os nossos quartos, as cozinhas, as salas de aula, os espaços de trabalho e lazer, as comunidades e o futuro.

De 23 Agosto a 6 de Setembro, a Festa Faz-se!

AGOSTO
23> 22h> Parque do Bonfim> Escola de MulheresTeatro ao Largo
24> 22h> Largo Do Sapalinho> As Pequenas CerimóniasFiar – Centro de Artes de Rua de Palmela

25 e 26 > 22h > Prima Folia (R. Deputado Henrique Cardoso/ Fonte Nova) > Ciclo Ilustrado A Problemática do Teatro nos Sec.XVII e XVIII Academia Problemática e Obscura
27 > 22h > Clube Setubalense > Mostra de Curtas MetragensExperimentáculo/Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística

28> 22h> Teatro de Bolso> No Parapeito da Ponte TAS – Teatro Animação de Setúbal

29> 22h> Largo Do Sapalinho> Musiclown El Espectáculo Cuarteto Maravilla (Espanha)

30> 22h> Teatro de Bolso> Os Dias arrastam-se e as Noites Também Teatro dos Aloés

31> 22h> Parque do Bonfim> Catavento Teatro das Beiras


SETEMBRO
01 e 02> 22h> Prima Folia (R. Deputado Henrique Cardoso)> Ciclo Ilustrado A Problemática do Teatro nos Sec.XVII e XVIIIAcademia Problemática e Obscura

03> 22h> Escola Sebastião da Gama> A Noite Antes da Floresta Teatro Estúdio Fontenova (estreia)

04> 22h> Escola Sebastião da Gama> A Noite Antes da Floresta Teatro Estúdio Fontenova

05> 22h> Escola Sebastião da Gama> Grão de Bico Teatro O bando
06> 22h> Parque do Bonfim> A Verdadeira História da Tomada do Carvalhal ESTE – Estação Teatral da Beira Interior

Actividades Paralelas

25 de Agosto a 06 Setembro > Prima Folia (R. Deputado Henrique Cardoso/ Fonte Nova) IX Festa revisitada / Exposição de fotografia - Clube de Fotografia de Setúbal

30 de Agosto> MAEDS Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal >Workshop Fotografia de Espectáculo >

Orientação: Pedro Soares (fotógrafo)

Das 14.00 às 18.30 H> Aula teórica> 1ª parte

Das 21.30 às 23.00H>> Aula prática> 2ª parte, em peça de teatro integrada na X Festa de Teatro de Setúbal (30 Sáb. / 31 Dom.).

Pré-requisitos: noções básicas de fotografia.

Preço: 15 € (entrada gratuita no espectáculo).

De 02 a 05 Setembro> MAEDS Viagem à Roma antiga pelo caminho das artes – Atelier>Público-alvo 5/9 anos.

Com este atelier pretende-se que proporcionar aos participantes uma viagem até Roma, através de expressões artísticas como o Desenho Livre e o Teatro, tendo como pano de fundo o período Romano imperial. Com esta viagem no tempo, observaremos os vestígios romanos conservados em Setúbal e daremos espaço à fantasia e disponibilidade criativa de cada criança.

Orientação: Luís Valente, Cláudia Pujol e Paula Covas.

Horário: 10.00H -12.30H

Numero mínimo de participantes: 10 - Preço: 22 €

Inscrições e informações: Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal (MAEDS); Av. Luísa Todi, 162 2900-452 Setúbal Tels. 265239365/ 265534029 Email: maeds@mail.telepac.pt

22.8.08

MUDAM-SE OS TEMPOS, MUDAM-SE AS VONTADES...
O Projecto "Nova Setúbal" e o PCP

Agosto de 2008
In Jornal Digital "Setúbal na Rede"


Aprovado protocolo para o plano de pormenor do Bonfim
Foi aprovado por maioria o contrato para o novo plano de pormenor do Bonfim, entre a Câmara Municipal de Setúbal, o Vitória Futebol Clube, a Pluripar e a SadiSetúbal, um acordo considerado pelas partes envolvidas como “muito importante” para a cidade e, sobretudo, para o futuro do Vitória. A bancada do PSD foi a única que se absteve, porque “não era uma proposta qualificadora daquele espaço”, segundo justificou o vereador Paulo Calado.
O documento, que foi submetido a sessão pública da câmara e que, segundo a presidente da câmara, Maria das Dores Meira, serviu para “redefinir a zona do Bonfim e mostrar a rentabilidade do local”, consiste na reconfiguração daquela área, com a transformação de dois lotes em cinco, onde fica prevista a construção de um hotel, de um centro comercial e de zonas habitacionais. A autarca considera que este projecto é uma mais-valia, visto que apresenta “uma melhoria do espaço para a população de uma zona central da cidade”.

Esta era ainda um protocolo considerado como “fundamental” para o futuro do Vitória de Setúbal, tanto pela edil como pelo líder do clube, Luís Lourenço. Com esta operação aprovada, o Vitória poderá encaixar um valor de cerca 15 milhões de euros, verba que possibilitará abater o seu passivo. Era, por isto, uma decisão pela qual o clube “estava na expectativa” e em que “não houve qualquer cedência”, segundo garante o presidente da comissão de gestão. É um projecto onde “todas as partes saem a ganhar”, afirma.

Luís Lourenço só “lamenta o facto de não ter sido uma votação unânime”. O líder sadino aceita a decisão da bancada do PSD, “por vivermos numa democracia”, mas avisa que “o Vitória vai tirar as devidas conclusões” desse acto. Paulo Calado explica a posição do seu partido com o facto de muitas das “explicações dadas” na sessão municipal “não coincidirem com o protocolo apresentado”. O vereador diz-se, no entanto, “tranquilo” por este ser “um mero protocolo, que não põe em causa o plano pormenor”.

O acordo terá ainda que ser submetido à votação dos sócios do Vitória em assembleia-geral, algo que não deixa Luís Lourenço receoso, porque acredita que “todos os vitorianos estão conscientes de que este protocolo é fundamental para a sobrevivência do clube” e, por isso, “não coloca sequer a possibilidade de outro cenário” que não a aprovação. A partir daqui o Vitória, juntamente com a Pluripar e a SadiSetúbal, terá que escolher uma empresa projectista para elaborar o plano, que será depois aprovado pela câmara municipal dentro do quadro legal vigente.

No entanto, todo este processo continuará pendente enquanto o tribunal não se pronunciar acerca da providência cautelar interposta pela Quercus contra o abate de sobreiros no Vale da Rosa, onde irá ser construído o novo estádio do Vitória. Sem o estádio novo, o clube não poderá abandonar o Bonfim, algo que leva o presidente do clube sadino a acusar a Quercus de “fundamentalista”, por “apenas ver o que lhe interessa, sacrificando o resto em redor”. Também a presidente da autarquia critica o comportamento da associação, que considera “extemporâneo”. Maria das Dores estranha a demora em agir da Quercus e apela ao “bom-senso”, visto que “todos os interesses ambientais foram salvaguardados pelo Ministério da Agricultura”.

De facto, os sobreiros vão ser "replantados"... em Vendas Novas.
É uma evidência, os quercus (sobreiros) dão-se mal no Concelho de Setúbal. Mas nem sempre tiveram esta falta de solidariedade:


Março de 2000
In Jornal Digital "Setúbal na Rede"


Complexo desportivo dá origem a nova cidade
CDU torce o nariz ao projecto de Cáceres
Vinte hectares de terreno em Vale da Rosa vão albergar um complexo desportivo municipal composto por um campo de futebol com capacidade para 15 mil pessoas, três campos relvados, uma piscina, um pavilhão, um centro de estágios, restaurantes, ginásios e campos de ténis. São cinco milhões de contos de investimento a par de uma mega-urbanização a construir nos restantes 20 hectares de terreno e a que Cáceres já deu o nome de Nova Setúbal.
A proposta do executivo socialista, aprovada com os votos favoráveis do PSD, foi avançada na última sessão pública da Câmara como sendo uma "oportunidade única" porque, de acordo com o presidente da autarquia, Mata Cáceres, esta é "uma oportunidade que não se repete", podendo mesmo significar a salvação para o Vitória de Setúbal que "poderá usar o complexo se assim o entender". De resto, adiantou que a gestão do complexo desportivo pode mesmo ficar a cargo do clube do Bonfim, uma ideia que agradou de imediato à direcção dos sadinos.

Quanto às verbas a despender no futuro complexo desportivo, cerca de cinco milhões de contos, o autarca adiantou ter já falado com o ministro Fernando Gomes que "referiu a possibilidade de vir a ser enquadrado no recém criado Quadro Comunitário para o Desporto" com um financiamento de cerca de 60%.

Entretanto, os projectos da Câmara de Setúbal parecem não agradar aos vereadores da CDU que, apesar de defenderem a criação de um complexo desportivo municipal, consideram que o Plano Director Municipal de Setúbal deve ser revisto para prever a localização dos equipamentos necessários à população. A reivindicação foi feita depois de terem sido "confrontados" com a decisão de elaborar um Plano de Pormenor para a alteração do uso do solo na zona industrial de Vale da Rosa "sem que o assunto fosse suficientemente discutido".

A vereadora Regina Marques chega a acusar o presidente da Câmara de "colocar a CDU à margem" deste processo que "pretende alterar o PDM de forma enviesada" de maneira a permitir a construção de um complexo desportivo e de uma zona habitacional. No entender do vereador Chaleira Damas, o caso "é ainda mais complicado" quando se pretende "fazer uma segunda cidade" com cerca de 30 mil habitantes – incluindo a área habitacional na zona adjacente do PIS - "sem que para isso estejam previstas infra-estruturas básicas para a população".

Por outro lado, os comunistas condenam o facto do edil ter atribuído um pelouro a tempo inteiro à vereadora social democrata, Ana Isabel Alves, que por essa razão vai sair da SAD do Vitória e dar lugar ao histórico vitoriano Silvério Jones. No entender de Regina Marques, o presidente "esqueceu-se que a CDU foi a segunda força mais votada" nas eleições que deram a vitória ao PS na Câmara de Setúbal. Por isso, os comunistas interpretam a decisão como uma "uma aliança com o PSD e um garante e apoio à sua desastrosa política".

14.6.08

THANKS GUYS!

Depois da vitória do "Não" no referendo ao Tratado de Lisboa realizado na na Irlanda (sim, um referendo igual ao que o Sócrates prometeu antes de ser primeiro ministro), é ver os comentadores de sempre nas televisões do costume a contestarem o resultado. Os argumentos que ecoam por aí já dizem algo do "cambalacho" que se prepara.

Nuno Rogeiro questionava há pouco na SIC se um pequeno país podia decidir pelo resto da Europa... dá vontade de rir! Topem, o único sítio onde a população foi consultada directamente mandou o tratado à urtigas;
Mais, depois dos "fundos estruturais" os mal-agradecidos dos irlandeses votaram "Não". Afinal o dinheiro da Europa é para comprar as pessoas. Sabe-se que não gastaram pouco na Irlanda, já sabíamos, não era preciso insistir.
E mais ainda, os malvados do "Não" fizeram campanha baseada em coisas tão desagradáveis como aquela de dizer que o tratado de Lisboa consagra o liberalismo selvagem e quer "privatizar tudo" - sim, a Saúde e por aí afora...
Uma coisa é certa, sabendo-se que é verdade que o tratado do Sócrates, do Durão Barroso e companhia prevê atacar os serviços públicos, se calhar até terá sido voto avisado pelo menos de quem não dispõe de um seguro de saúde como o Nuno Rogeiro terá.
E isto para não falar daquela de que os irlandeses têm muitos familiares nos Estados Unidos e que os americanos por via da diáspora estariam a procurar atrofiar a Europa...
O Nuno Rogeiro que vi no início da Guerra do Iraque mostrando na SIC a sua colecção de miniaturas de aviões militares era muito mais divertido. Não me lembro em que qualidade de especialista ele falava na altura: de miniaturas, de aviação em miniaturas, de estratégia militar em miniaturas... (de qualquer forma a SIC não costuma ser muito exigente com os seus especialistas, desde que concordem com a sua Agenda).

Conforme o acima, as primeiras declarações de ressentimento pelo "Não" irlandês foram proferidas pelos que têm menos vergonha, mas já indiciam o que por aí se prepara. Que "o voto só vale quando decide a nosso favor", disso já sabíamos; mas que o mesmo se aplicasse à Democracia... Está bem, pronto, também já sabíamos. "Nada de novo na Frente Ocidental".

O inglês não é grande coisa, mas eles percebem:
Thank you very much Irish People!

12.6.08

"Parabéns, Irlanda, por votares num referendo que foi negado a 486 milhões de europeus"

"Parabéns, Irlanda, por votares num referendo que foi negado a 486 milhões de europeus", lê-se segundo o DN num dos cartazes que engalanam as ruas de Dublin. É que a Irlanda é dos poucos países que vai a votos sobre o Tratado de Lisboa. Entretanto, os lisboetas festejam a quase-passagem aos quartos de final do Euro 2008.
Os irlandeses em matéria europeia são uns atrasados!

4.6.08

"Onde é que estavas" quando te procuraram estupidificar (outra vez) com o futebol?

Com a devida vénia,
Baptista-Bastos em crónica de opinião no Diário de Notícias:

OS HERÓIS DO REGIME


O alarido em torno da selecção nacional de futebol chega a ser indecoroso. No último domingo, então, o caso foi ameaçador: as três principais estações de televisão consagraram horas e horas à viagem dos futebolistas entre Viseu e Neuchâtel.

Gilberto Madaíl, esse homem fatal, sempre insaciado de banalidades, assertoou uma série de dislates, com o ar grave de quem vai influir nos destinos da Pátria. Scolari, místico, iluminado por todas as Imaculadas, às quais costuma rezar com transporte e fervor, declarou a sua eterna gratidão a um povo tão ligado àquele grupo de "heróis", e tão estremecido quando a Bandeira é içada e A Portuguesa entoada com as estrofes trocadas.

Marcelo Rebelo de Sousa, professor de múltiplos interesses e ávidas curiosidades, pediu desculpa aos seus "amigos intelectuais", mas Portugal devia mais a Cristiano Ronaldo e a outros - do que não se sabe a quem, porque não esclareceu. Esperava-se, de Marcelo, um outro modo de ver, um ponderado rogo de reflexão, um trémulo apelo ao bom-senso. Com a convicção vigorosa que se lhe reconhece rojou-se aos pés dos seleccionados, ao mesmo tempo que ironizou das opiniões daqueles, manifestamente hostis ao empreendimento de imbecilização. Ao contrário de Rui Santos, jornalista especializado em futebol, que se não coibiu de criticar o exagero do circo, chegando a designá-lo como "alienação".

Alienação muito bem montada e insuportavelmente apoiada pelas televisões, pelas rádios e pelos jornais. Esta ambição do aparato impede a mais módica posição crítica daqueles que, apreciando o jogo (o meu caso), não entram na peripécia irracional e não se intimidam com a algazarra. Acaso haveria razão para a euforia, se a selecção tivesse chegado ao fim do Euro como ganhadora. O dr. Cavaco, habituado a deixar, na sua passagem pelos acontecimentos, admiráveis vestígios de oratória, aconselhou os futebolistas, recebidos, com emoção, em Belém, a olhar para o Tejo, inexaurível fonte de inspiração! O sr. Presidente estava, de certeza, a estabelecer comparações entre aqueles indómitos desportistas e os heróis escorbúticos que partiram do Cais Novo, há cinco séculos, para dar "novos mundos ao mundo". Foi um momento inesquecível. Um daqueles instantes irrepetíveis que marcam a palavra verdadeira, leal, civilizada, contra a desconsolação, a inércia, o abandono!

Conhecemos, através das televisões, um povo verdadeiramente feliz, gritando, apopléctico, a responsabilidade cumprida de cidadania e civilidade. Um povo enérgico, expondo, como elevado título, a radiosa coragem de estar no desemprego, de ser imigrante por carência absoluta de trabalho e de esperança no País onde nasceu - e que cauciona, com júbilo, a desgraça como virtude.

28.5.08

E eu a pensar que os gajos tinham passado à clandestinidade!

"Pluralismo", dizem eles. Abro aspas:

"A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) divulgou nesta Segunda Feira o relatório de regulação 2007, que assinala que as três televisões generalistas não cumpriram as suas obrigações. Tanto a SIC como a TVI falharam na emissão de programas informativos de debate e entrevista, a RTP falhou na difusão de obras em língua portuguesa.
Nas três televisões os membros do governo predominam na informação política, com 54% de presença na TVI, 43,3% na RTP-1 e 49,3% na SIC.

No relatório da ERC são salientadas, relativamente à RTP-1, insuficiências claras quanto ás obrigações do contrato de concessão: o "baixo índice de programas de índole predominantemente formativa" e "a quase ausência de programas dirigidos ao público jovem infantil nos dias úteis". Quanto à RTP2 é feito um "reparo crítico" pelo facto de as repetições na grelha de programação representarem mais de um quarto da programação.

A ERC assinala que, tanto a SIC como a TVI, "só parcialmente" cumpriram as obrigações de transmitir programas de natureza cultural e formativa em horários de grande audiência e de apresentar uma oferta diversificada no "horário nobre". A TVI também não cumpre a obrigação de emitir diariamente programas para o público juvenil/infantil.

A ERC salienta também que os programas vocacionados para a "cobertura de grupos minoritários, associados a minorias étnicas, religiosas e sociais, que espelhem a diversidade cultural do país" são quase ausentes, ou têm uma presença residual nos três canais (RTP-1, SIC e TVI).

Numa análise comparativa dos blocos informativos das 20h, a ERC salienta a "prevalência conferida a temas da categoria ordem interna" na SIC e na TVI. Dentro da temática "ordem interna", os três canais privilegiam o subtema "crimes".

O tema "relações laborais" tem uma presença diminuta nos três canais.

Em relação à política, além da presença predominante dos membros do governo, os protagonistas do PSD representam a segunda categoria mais frequentada nos três blocos informativos (SIC - 24,6%, RTP1 - 24,1%, TVI - 20,4%), os do PS a terceira na SIC (13,0%) e RTP1 (8,8%), e quarta na TVI (5,3%), os do CDS/PP a quarta na SIC(7,2%) e RTP1 (24,6%), e quarta na TVI (8,8%), os do PCP a quinta na SIC (4,3%) e RTP1 (4,4%) e terceira na TVI (8,8%). Os protagonistas do Bloco de Esquerda "são, claramente, os menos representados nos três blocos informativos", 2,7% na TVI, 1,5% na RTP1 e 1,4% na SIC."

Aspas fechadas. Notícia retirada do portal Esquerda

27.5.08

Ainda bem que dá desenhos animados na 2!

Para quem acha que fazer noticiários televisivos é coisa difícil, a receita para estes dias: selecção, candidatos do PSD, selecção, candidatos do PSD... Os acidentes nas autoestradas e os terramotos na China são para despistar... para a malta pensar que os telejornais falam de algo que tenha a ver com a realidade.
Cá para mim que no que toca a vendedores de banha da cobra sou cínico, acho que eles só falam da China, da Birmânia e da autoestrada acidentada devido às imagens espectaculares da destruição.
Não? Desde que dei com o Albaran na TV (outra vez!?) acredito em tudo.

1.2.08

100 Anos de Gratidão!


"Meus filhos ficam pobríssimos; não tenho nada para lhes legar senão o meu nome e o respeito e compaixão pelos que sofrem. Peço que os eduquem nos princípios da liberdade, igualdade e fraternidade que eu comungo e por causa dos quais ficarão, porventura, em breve, órfãos." Foram estas as palavras da carta-testamento de Manuel Buíça, redigida quatro dias antes do regicídio. Eram firmes as convicções que levaram Buíça, e, o seu companheiro Alfredo Costa a atentar contra o maior simbolo do sistema opressor que regia Portugal.

Deixo-vos para leitura este post no pimenta negra (clica), e este artigo de opinião de Álvaro Arranja no Esquerda.net (clica), bem como o site da Associação Cívica República e Laicidade, que contem um excelente dossier sobre os acontecimentos de há 100 anos (clica).

16.1.08

Forum Social Mundial - Dia de Acção Global


Outro Mundo é Possivel!

Plataforma Social por Setúbal
“Semana de Mobilização e Acção Global"


Procurando responder à convocatória lançada pelo Fórum Social Mundial – Outro Mundo é possível, em conjunto e com a maior abrangência possível da sociedade civil sadina, foi criada uma plataforma, com vista a efectuar, entre dia 23 e o dia 26 de Janeiro de 2008, uma jornada de reflexão sobre os caminhos que têm vindo a ser trilhados pela globalização neo-liberal.
Como todos sabemos, o Fórum Social Mundial reúne o contributo de milhões de mulheres e homens, organizações, redes, movimentos, sindicatos de todo o mundo, independentemente das idades, povos, culturas e crenças, unidos pela convicção que a globalização económica, desprovida de humanidade, é exclusiva e criminosa.
Unem todas estas organizações o comum desejo de se oporem liminarmente contra a pobreza, contra a fome, contra os desastres ambientais, contra a exploração, contra a exclusão, contra a negação dos direitos humanos e, evidentemente, contra a guerra, porquanto é portadora de sofrimento, pobreza, ingerência, destabilização física e psicológica, bem como a morte.

Programa:

23/1 – Ambiente

10h Recolha de lixo (ponto de encontro na Academia Problemática e Obscura).
14h Execução de peça com o lixo recolhido, na Praça de Bocage.
21h30m Projecção de três documentários acerca da Arrábida e Tróia, na Associação José Afonso, na Rua de Damão (Praça do Brasil).

24/1 - Pobreza, exclusão e desperdício
20h Jantar com Sopa respigada, seguido do documentário "A Respiga e a Respigadora", com a exposição “Lixo do Luxo do Lucro “, com debate livre, no Espaço Lança, sito na Estrada da Graça (perto da antiga fábrica Vasco da Gama).

25/1 – Guerra
14h Acção cénica, sobre a ligação entre o petróleo e a guerra, na Praça de Bocage.
21h30 Projecção do documentário "A caminho de Guantánamo", seguido de debate, no Teatro de Bolso (TAS).



26/1 – Dia de Acção Global
14h Concentração na Praça de Bocage, com bancas, música e animações.
21h30 Projecção de documentários e filmes de produção local, seguido de debate sobre formas de intervenção, na Academia Problemática e Obscura (Prima Folia, CRL), na Rua Deputado Henrique Cardoso nº30/34 (Junto ao Largo da Fontenova, Rua da Junta de Freg. Da Anunciada

Parceiros:
Associação de Bombeiros Voluntários de Setúbal
Associação de Cidadãos pela Arrábida e Estuário do Sado
Associação José Afonso
Bloco de Esquerda (núcleo de Setúbal)
Café Experimental – Comércio Justo
Caritas Diocesana de Setúbal
Clube de Campismo de Setúbal
Espaço Lança
Juventude Socialista
Lebres do Sado
Precári@s Inflexíveis
Prima Folia – Cooperativa Cultural, CRL
Reciclarte
SOS Racismo
TAS
Teatro Estúdio Fonte Nova
Tribunal do Iraque
Outr@s cidadãos...