12.10.06

Câmara e Governo Civil de Setúbal agridem bairro popular com festival de "Tunning".

Reprodução na íntegra de uma "Carta ao Director" que saiu hoje no jornal "O Setubalense":
Nas Manteigadas não há só melgas e mosquitos!

Não há muito tempo, o anterior candidato do PSD à presidência do município setubalense, Fernando Negrão, procurou colher algum descontentamento pela deslocalização da Feira de Sant’Iago acusando o presidente eleito da Câmara Municipal de Setúbal, Carlos de Sousa, de ter mandado a feira para as Manteigadas, “onde só há melgas e mosquitos”.

É verdade, nas Manteigadas há insectos. Aliás, como se tem visto nos últimos tempos, no resto da cidade também. As zonas perto de sapais são caracterizadas pela existência de insectos, qualquer biólogo o confirmará.

O “remédio” para os insectos seria acabar com os sapais e construir-lhes em cima umas urbanizações com vista para o rio – não falta quem queira “investir” nisso. O problema seria que se o fizessem acabariam com o que sobra de vida no Rio Sado, porque os sapais são a maternidade do rio.

Perante as alternativas, de ver o Sado bordejado por “habitações de qualidade” ou de ver gente à pesca dentro e nas margens do rio, prefiro as melgas - desde que não sejam alimentadas pela falta de saneamento básico…

A localidade de Manteigadas faz parte de Setúbal. Da Freguesia de S. Sebastião, mais concretamente e apesar dos seus moradores continuarem arredados do direito ao Transporte Urbano e serem penalizados por tarifas mais caras nos autocarros. É nas Manteigadas também que estão localizados equipamentos tão nobres como o Instituto Politécnico, o Arquivo Distrital… e Pessoas, cada vez muitas Pessoas.

A deslocalização da feira para as Manteigadas não foi um acto comparável a tê-la atirado para o Suriname. Atenuou o problema do trânsito no centro da cidade, quando ele é mais intenso. E irá proporcionar a breve trecho a disponibilização de um valioso terreno em Azeitão para construção de “habitação de qualidade”…

O problema foi e é como fazer conviver as funções do Parque de Sant’Iago com os direitos das pessoas que já viviam na zona antes dele ser construído. Infelizmente nesta questão parece que há uma “frente popular” em Setúbal: da anterior magistratura do PS até ao governo actual do PCP estão todos de acordo com o deputado municipal do PSD, “nas Manteigadas só há melgas e mosquitos”.

Porque só numa zona onde só há melgas e mosquitos é que seria permitido fazer aquilo que ocorreu no passado fim-de- semana no Parque Sant’Iago: um festival de desrespeito pelo direito à tranquilidade dos cidadãos.

Autorizado pela Câmara Municipal de Setúbal, agora liderada pela presidente nomeada pelo PCP, Maria das Dores Meira, com o beneplácito da dirigente do PS e Governadora Civil de Setúbal, Teresa de Almeida, decorreu nas Manteigadas um festival de Tunning.

As entidades a quem cabe fazer cumprir o Regulamento Geral do Ruído, e que têm a obrigação legal de defender os cidadãos de atentados ao sossego, permitiram que junto a uma zona residencial, como é a zona das Manteigadas, fosse levado a cabo um evento que só os ignorantes desconhecem que se trata de um festim de roncos motorizados e de decibéis a ultrapassar todos os limites saudáveis.

Assim, a colina que do parque Sant'Iago domina o bairro foi tomada por altifalantes que, virados para as habitações, vomitaram incómodo até depois das 2 da madrugada. Durante todo o dia, a música e o entusiasmo do animador de serviço só tiveram a competição de alguns participantes do evento que descerraram as portas traseiras das suas viaturas para exibir toda a potência das colunas de som contra as janelas das sala-de-estar localizadas a menos de 10 metros das performances.

O que começou mal continuou pior: depois da “serenata” de motos até depois da uma e meia da manhã, seguiu-se uma rave até cerca das 6 da madrugada, numa tenda de circo instalada a poucas dezenas de metros das habitações.
Dormir? Às 9 e tal da manhã as colunas viradas para o bairro acordaram os minutos de sono.
Pelo domingo adiante o barulho dos motores e o cheiro a borracha queimada tomou conta das casas da zona.

Durante a noite diversas pessoas telefonaram para a GNR, “foi autorizado pelo Governo Civil e pela Câmara Municipal” – responderam os guardas manietados.

Sabendo-se que outras manifestações “motorizadas” foram deslocadas de outras zonas habitacionais da cidade para parques industrias na periferia, qual a razão que presidiu ao atentado à qualidade de vida dos cidadãos no passado fim-de-semana? As pessoas das Manteigadas não são cidadãos como as dos outros bairros?

As senhoras Governadora Civil empossada pelo governo e a Presidente da Câmara nomeada pelo PCP fizeram uma leitura prepotente do Regulamento do Ruído, trocaram o Direito ao Sossego que o documento pretende consagrar pelo interesse económico de uma actividade que provoca poluição sonora. E, quando tanto se fala no protocolo de Quioto, promoveram uma actividade que se está borrifando para a poluição do ar. Como responsáveis políticas deram um sinal negativo das suas sensibilidades, cultural e ambiental, à população.

Das duas uma:
Autorizaram aquele evento naquele local porque partilham da opinião do seu concorrente do PSD de que nas Manteigadas “só há melgas e mosquitos” ou, pura e simplesmente, estiveram-se marimbando para as consequências que a sua autorização teria na Qualidade de Vida das pessoas que juraram proteger.

Ignorância ou Incompetência.
Num e noutro caso, deviam demitir-se.

José Tavares da Silva, morador nas Manteigadas.









2 comentários:

José Tavares da Silva disse...

Conforme os entendidos na coisa sabem, escreve-se "tuning" e não "tunning".

Mais importante ainda é afirmar que a governadora civil, Teresa de Almeida, respondeu e veio a afirmar no número seguinte do jornal "O Setubalense" que não cabe ao Governo Civil fiscalizar o cumprimento do Regulamento Geral do Ruído, e que só esteve no evento devido a um concurso ali realizado.
Teresa de Almeida tem razão, não cabe à sua função dar autorização ou fiscalizar esses eventos. A lei diz claramente que tal é da competência da câmara municipal. A crítica formulada foi baseada na informação prestada pela GNR - que estava equivocada.
A senhora Governadora do Distrito de Setúbal merece as minhas desculpas, que fiz questão de apresentar publicamente perante a imprensa na Sessão Pública realizada no dia 18 de Outubro.

Ricardo disse...

Muito giro é quando qualquer entidade quer organizar um evento cultural com musica e teatro a C.M.S. nunca tem espaços, infrastruturas ou apoio logistico.
Quando essas entidades conseguem o apoio necessario recusam-se a passar as ditas cujas licenças que sao exigidas por lei.
Setúbal é das cidades mais pobres culuralmente no país e parece que a C.M.S continua disposta a apostar na alienação total da nossa população.

Tachos... Aqui em casa so na cozinha.

Gostei do texto "Sô ZéCarlos"